Artigo Lancet sobre tratamento precoce

Pharmacological blood pressure lowering for primary and secondary prevention of cardiovascular disease across different levels of blood pressure: an individual participant-level data meta-analysis
The Blood Pressure Lowering Treatment Trialists’ Collaboration*
The Blood Pressure Lowering Treatment Trialists’ Collaboration. Lancet 2021; 397: 1625–36
Os efeitos da redução farmacológica da pressão arterial em faixas de pressão arterial normal ou alta em pessoas com ou sem doença cardiovascular preexistente permanecem incertos.
Esta meta-análise de dados de 48 ensaios clínicos randomizados de medicamentos para redução da pressão arterial versus placebo ou outras classes de medicamentos para redução da pressão arterial, ou entre regimes de tratamento mais versus menos intensivos, que tiveram pelo menos 1000 pessoas anos de acompanhamento em cada grupo, objetivou testar esta hipótese.
O desfecho primário foi um evento cardiovascular maior (definido como um composto de acidente vascular cerebral fatal e não fatal, infarto do miocárdio fatal ou não fatal ou doença cardíaca isquêmica, ou insuficiência cardíaca causando morte ou exigindo internação hospitalar), analisado de acordo com a intenção de tratar.
Resultados:
Dados de 344 716 participantes de 48 ensaios clínicos randomizados estavam disponíveis para esta análise. Acompanhamento médio de 4,15 anos.
Os eventos cardiovasculares principais foram definidos como uma composição de acidente vascular cerebral fatal ou não fatal, infarto do miocárdio fatal ou não fatal ou doença cardíaca isquêmica, ou insuficiência cardíaca causando morte ou exigindo internação hospitalar.
Os efeitos relativos do tratamento para redução da pressão arterial foram proporcionais à intensidade da redução da pressão arterial sistólica.
Hazard ratios (HR) associados a uma redução da pressão arterial sistólica em 5 mm Hg para um evento cardiovascular maior foram de 0, 91, IC de 95% 0,89 0,94 para participantes sem doença cardiovascular prévia e 0,89, IC95%: 0,86 –0,92, para aqueles com doença cardiovascular prévia.
As análises de meta-regressão mostraram que os HRs para eventos cardiovasculares maiores são proporcionais à magnitude da redução da pressão arterial sistólica alcançada.
Uma redução de 5 mm Hg da pressão arterial sistólica reduziu o risco de eventos cardiovasculares maiores em cerca de 10%, independentemente de diagnósticos anteriores de doença cardiovascular, e mesmo com pressão arterial normal alta.
Os riscos de acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca, doença cardíaca isquêmica e morte por doença cardiovascular foram reduzidos em 13%, 13%, 8% e 5%, respectivamente. As reduções de risco relativo foram proporcionais à intensidade da redução da pressão arterial. Nem a presença de doença cardiovascular ou o nível de pressão arterial no início do estudo modificou o efeito do tratamento.
Esses achados sugerem que redução farmacológica da pressão arterial é igualmente eficaz para a prevenção primária e secundária de doenças cardiovasculares importantes, mesmo em níveis de pressão arterial atualmente não considerados para tratamento. Os médicos que comunicam aos seus pacientes a indicação do tratamento para redução da pressão arterial devem enfatizar sua importância na redução do risco cardiovascular, em vez de focar na própria redução da pressão arterial.
Este estudo apela para uma mudança na prática clínica que confina predominantemente o tratamento anti-hipertensivo a pessoas com valores de pressão arterial acima da média. Com base neste estudo, a decisão de prescrever medicamentos para pressão arterial não deve ser baseada simplesmente em um diagnóstico prévio de doença cardiovascular ou na pressão arterial atual de um indivíduo. Em vez disso, a medicação para pressão arterial deve ser vista como uma ferramenta eficaz para prevenir doenças cardiovasculares quando o risco cardiovascular de um indivíduo é elevado. As recomendações que especificam um limite mínimo de pressão arterial para início ou intensificação do tratamento, ou um nível mínimo para redução da pressão arterial, não são comprovadas por este estudo.

Você também pode gostar:
Menu
Open chat