Reduzindo o colesterol, a pressão arterial ou ambos para prevenir eventos cardiovasculares: resultados

Lowering cholesterol, blood pressure, or both to prevent cardiovascular events: results

of 8.7 years of follow-up of Heart Outcomes Evaluation Prevention (HOPE)-3 study participants

 

Bosch J, Lonn EM, Jung H, Zhu J, Liu L, Lopez-Jaramillo P, Pais P, Xavier D, Diaz R, Dagenais G, Dans A, Avezum A, Piegas LS, Parkhomenko A, Keltai K, Keltai M, Sliwa K, Held C, Peters RJG, Lewis BS, Jansky P, Yusoff K, Khunti K, Toff WD, Reid CM, Varigos J, Joseph P, Leiter LA, Yusuf S. Lowering cholesterol, blood pressure, or both to prevent cardiovascular events: results of 8.7 years of follow-up of Heart Outcomes Evaluation Prevention (HOPE)-3 study participants. Eur Heart J. 2021 May 8:ehab225. doi: 10.1093/eurheartj/ehab225. Epub ahead of print. PMID: 33963372.

 

Após o período de tratamento randomizado (5,6 anos), os participantes foram convidados a participar de mais 3,1 anos de observação (total de 8,7 anos). O desfecho primário para todo o período de acompanhamento foi o composto de infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral ou morte CV [evento cardiovascular adverso maior (MACE) -1], e o desfecho secundário foi MACE-1 mais parada cardíaca ressuscitada, insuficiência cardíaca ou revascularização coronária (MACE-2).

De 12 705 participantes randomizados, 11 994 eram elegíveis para acompanhamento passivo, 9326 (78%) consentiram em participar e 97% foram acompanhados por 3 anos.

Durante 3,1 anos de observação pós-estudo (acompanhamento total de 8,7 anos), os participantes originalmente randomizados para rosuvastatina em comparação com placebo tiveram uma redução de 21% no MACE-1 (IC 95% 0,69-0,90, P = 0,005) e redução de 21% no MACE-2 (IC 95% 0,69-0,89, P = 0,002).

Não houve benefício da redução da PA no estudo geral, seja durante o período de observação ativo ou pós-ensaio, no entanto, uma redução de 24% no MACE-1 foi observada em 8,7 anos. Durante a fase de intervenção ativa, houve uma redução de risco de 24% no MACE-1 (IC 95% 0,62-0,96) para aqueles com a PA sistólica basal mais alta, enquanto nenhum benefício foi observado naqueles nos dois tercis inferiores da PA sistólica basal (<_143 mmHg) (P para interação = 0,009). Durante o acompanhamento passivo, houve uma redução não significativa de 17% no MACE-1 para aqueles com a PA sistólica basal mais alta e nenhum benefício para aqueles nos tercis inferiores.

Os benefícios CV da rosuvastatina e redução da PA naqueles com PA sistólica elevada, em comparação com o placebo, continuam a se acumular por pelo menos 3 anos após a interrupção do tratamento randomizado em indivíduos sem doença cardiovascular, indicando um efeito legado.

Análises de subgrupos e pontos de referência: após 8,7 anos, os benefícios da rosuvastatina foram consistentes em todos os subgrupos pré-especificados, independentemente do nível basal de LDL-C, risco CV, idade, etnia e sexo. A redução da pressão arterial beneficiou aqueles com o terço mais alto da PA sistólica basal (> 143 mmHg) durante os 8,7 anos de acompanhamento passivo.

Análises de pontos de referência, usando intervalos de 3 anos, demonstraram que aqueles que tomaram rosuvastatina tiveram uma redução de 16% no MACE-1 nos primeiros 3 anos (IC de 95% 0,65-1,08), uma redução de risco de 23% nos anos 3-6 (95% IC 0,62–0,97) e uma redução de 24% após 6 anos (IC 95% 0,61–0,95). Para aqueles em terapia combinada, houve uma redução de 22%, 28% e 21% nos mesmos intervalos de tempo.

Conclusões: Após o término do tratamento randomizado com estatina, em pacientes sem DCV prévia e com risco intermediário de eventos CV que foram tratados com rosuvastatina por uma mediana de 5,6 anos, os benefícios do tratamento continuam a aumentar por pelo menos vários anos após a interrupção. Resultados semelhantes foram observados para o tratamento para redução da PA naqueles com PA elevada, mas não para aqueles com PA sistólica <140 mmHg. Esses dados ressaltam a importância do tratamento precoce dos fatores de risco e sugerem que os benefícios da prevenção primária podem ser subestimados em estudos de prevenção primária que não acompanham os pacientes além do período de intervenção ativa.

 

 

 

Você também pode gostar:
Menu
Open chat