Nova diretriz brasileira de dislipidemia Arq Bras Cardiol 2017; 109(2Supl.1):1-76

 

A nova diretriz de dislipidemia da SBC é um documento essencial para a prática do cardiologista com recomendações bastante atuais como a de que os exames para dosagem do lipidograma não sejam mais feitos em jejum. Como os triglicerídeso são o lemento mais sensível do lipidograma apenas `uando os níveis de TG estiverem muito altos (> 440 mg/dl) é que se recomenda a realização de um novo exame em jejum de 12 horas. A SBC recomenda a utilização de um escore global de risco para definição da necessidade de hipolipemiantes e também as metas do LDL colesterol a serem atingidas. Em pacientes de muito alto risco (com doença aterosclerótica ou com obstrução arterial de pelo menos 50%) a meta de LDL passou a ser de < 50 mg%. Também chama atenção na diretriz a incorporação da ezetimiba e dos inibidores do PCSK9, no caso o evolucumabe e alirocumabe. De acordo com a diretriz os inibidores da PCSK9 (evolocumabe e alirocumabe) devem ser utilizados somente em pacientes com risco cardiovascular elevado, em tratamento otimizado com estatinas na maior dose tolerada, associado ou não à ezetimiba, e que não tenham alcançado as metas de LDL-c ou não HDL-c recomendadas.

Os comentários estão fechados.