O paradoxo da obesidade: existe obeso saudável?

A obesidade é considerada um dos maiores problemas de saúde pública da última década e  sua incidência vem aumentado de forma preocupante em todo o mundo. No Brasil, 5º país com maior numero de obesos, observou-se um crescimento  médio da população adulta obesa de 0,76% ao ano,  de acordo  com dados da VIGITEL , de 2006 a 2011 .

 

Embora seja reconhecido que a obesidade é um importante fator de risco para o desenvolvimento de diversas complicações metabólicas as quais podem aumentar o risco de doenças cardiovasculares, pesquisadores têm observado um subgrupo de obesos que não apresentam desordens metabólicas. Eles possuem um perfil metabólico favorável, caracterizado por elevada sensibilidade a insulina, pressão arterial  e perfil lipídico normal, além de menor acúmulo de gordura visceral,  apesar do seu excesso de peso.

 

Este subgrupo tem chamado a atenção pela sua prevalência expressiva na população obesa, cerca de 20%, variando de acordo com o critério adotado para definição.  E com isso, questionamentos têm sido levantados: será que a obesidade pode não ser tão prejudicial como parece? Seria possível ser obeso e ser saudável? Não seria um paradoxo?

 

Para tentar responder estas perguntas estudos têm sido conduzidos a fim de identificar, caracterizar e avaliar a associação deste fenótipo com o risco de mortalidade geral e cardiovascular. Uma das maiores limitações encontrada é a falta de um critério único para a identificação deste subgrupo, sendo utilizados critérios baseados na resistência insulínica e fatores cardiometabólicos.

 

Alguns estudos têm observado um menor risco para doenças cardiovasculares associado a estes indivíduos, porém os resultados ainda são controversos. E, portanto ainda não está claro quais as consequências a longo prazo,  a obesidade pode acarretar a saúde das pessoas identificadas como obesas porém “metabolicamente saudáveis”.

 

Diante disso, cabe a nós, profissionais de saúde, continuarmos a estimular  uma perda de peso de forma saudável independente do perfil metabólico que individuo obeso apresente.

REFERENCIAIS

  1. HINNOUHO GM et al. Metabolically healthy obesity and risk of mortality: Does the definition of metabolic health matter? Diabetes Care.2013.
  2.  HAMER M, STAMATAKIS et al. Metabolically healthy obesity and risk of all-cause and cardiovascular disease mortality. J clin endocrinol metab 2012;97:2482–2488.

 

Por Nutricionista Aline de Castro Pimentel, Mestranda em Cardiologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro

 

Você também pode gostar:

Mais postagens como esta…

Menu
Open chat