Literatura e Medicina

O livro “Literatura e Medicina: uma experiência de ensino” está sendo lançado em abril de 2014 e foi fruto de um trabalho desenvolvido durante 18 meses junto aos alunos de Medicina da Universidade Estácio de Sá por professores da instituição (Ana Luisa Mallet, Sylvia Porto Pereira, Silvana Ferreira e Luciana Andrade) e professores convidados (Luiz Vaz, Aurora Barros). O trabalho contou com auxílio financeiro da Faperj. Os alunos se reuniram com os professores quinzenalmente e fizeram leituras de obra literárias como “A morte de Ivan Ilitch”, de Tolstoi; “O alienista”, de Machado de Assis; “A enfermaria número 6” de Tchekkov além de vários outros textos, entre eles “Um antropólogo em Marte”, de Oliver Sachs; “Todo paciente tem uma história para contar”, de Lisa Sanders e “Neonatologia além da UTIN”, de Sylvia Porto Pereira. Desses encontros foram produzidos textos pelos próprios alunos sobre suas leituras além de narrativas médicas de pacientes e próprias. O prefácio, da Professora Associada de Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Maria Clara Marques Dias, dá uma pequena ideia do que se procurou desenvolver com os alunos e que hoje encontra-se reunido nesse livro:

Um dia, na nossa meninice, pensamos no futuro e nele nos vemos crescidos e exercendo o nosso lugar no mundo. Entregues a uma paixão ou, como gostaríamos de poder dizer, a uma profissão. Idealizamos o nosso ofício e geralmente bifurcamos nossas escolhas em tantas direções quantos forem os nossos sonhos.  Qual de nós já não quis um dia ser médico, atriz e professor? Ingressar na faculdade de medicina. É para muitos algo próximo a se tornar um aprendiz de feiticeiro. Porém diante de um dia-a-dia exaustivo, entre aulas e pacientes, a tarefa algo mágica vai perdendo o seu encanto. Esquecemos as diversidades dos caminhos, destinos e sonhos possíveis e nos enclausuramos na técnica ou no suposto saber científico. Vamos nos tornar profissionais, mas o que dizer da nossa paixão? Este livro é uma forma de tentar reaver o nosso sonho de menino e a sabedoria de que ser um bom profissional é encontrar o nosso lugar no mundo. Ser um bom médico é antes de mais nada assumir um compromisso com o bem-estar e com a minimização do sofrimento alheio. Mas para realizar esta tarefa é preciso perceber e conhecer o outro, sentir com o outro e este é o poder mágico que a literatura nos revela.  Unir a medicina e a literatura é pensar um profissional em toda a sua integridade. É apostar em um mundo sem fronteiras e sem hierarquia de saberes, onde precisamos estar atentos aos nossos múltiplos encontros, para melhor compreender, melhor viver e promover formas diversas de existência.

Quem estiver interessado em conhecer um pouco mais do projeto, pode acessar boletim da Faperj http://www.faperj.br/home-boletim73B.phtml?ctx_cod=1.6.526. E caso haja interesse no livro: ana@largodasletras.com.br


Por Dra. Ana Mallet

Você também pode gostar:

Mais postagens como esta…

Menu
Open chat