A importância do stress e seu controle nas doenças cardiovasculares

As doenças cardiovasculares (DCV) têm expressiva incidência na população e trazem uma série de limitações para a qualidade de vida daqueles que delas sofrem. A World Health Organization (2013) estima que DCV causem, globalmente, cerca de 17 milhões de mortes por ano, quase um terço do total, configurando-se assim como a causa número um de morte no mundo. A hipertensão arterial contribui sobremaneira para tais dados, contando com 9,4 milhões de mortes a cada ano, sendo responsável por 45% das mortes por doença cardíaca e 51% das mortes por acidente vascular cerebral. Além disso, estima-se que até o ano de 2030 cerca de 23,3 milhões de pessoas morrerão anualmente por DCV. No Brasil, as DCV são responsáveis por cerca de 20% das mortes de indivíduos acima de 30 anos (Mansur & Favarato, 2012). Segundo as VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão (SBC, SBH & SBN, 2010), no ano de 2007 foram registradas 1.157.509 internações por DCV no Sistema Único de Saúde (SUS) e, no que diz respeito a gastos financeiros, no ano de 2009 as 91.970 internações devido a essas doenças geraram um custo superior a 165 milhões de reais.

Os fatores de risco para DCV, segundo as VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial (2010) apresentam-se de forma agregada, observando-se famílias que possuem um estilo de vida pouco saudável além de fatores genéticos e ambientais que, em conjunto, as predispõem ao desenvolvimento da doença.  Embora esses fatores já estejam claramente associados às DCV, estudos que propõem intervenções não medicamentosas que possam contribuir, junto ao tratamento médico, para o controle da doença mostram-se bastante úteis. Para que uma intervenção não medicamentosa traga resultados positivos, é importante que esta tenha como meta atuar sobre os fatores de risco da doença de modo a contribuir para mudança no estilo de vida. Tal mudança deve envolver o estímulo para o desenvolvimento de hábitos saudáveis e o controle de variáveis emocionais que possam estar dificultando a adesão ao tratamento e favorecendo a manutenção da doença. Como enfatizam Whittaker et al (2012) já foi comprovada a existência de relação de múltiplas variáveis ​​psicossociais com o desenvolvimento e progressão da DCV, tais como depressão e ansiedade. Além disso, o stress emocional tem sido tema de grande interesse entre pesquisadores da área da saúde, como o estudo de Lopes (2012) no qual se investigou os estilos de vida de pacientes com cardiopatia isquêmica, concluindo-se que o stress é uma das variáveis preditoras de estilos de vida não saudáveis. Mais recentemente, Borges et al (2013) estudaram indivíduos que tiveram Síndrome Coronariana Aguda (SCA) e concluíram sobre a relação entre tais eventos e a exposição a estímulos estressantes. Os resultados encontrados levam à valorização do stress como um fator propiciador de estilos de vida deficitários, levando à reflexão quanto à relação do mesmo com as DCV.

Estudos com hipertensão, importante fator de risco para DCV, também têm apontado na direção da importância do stress como fator de risco para a doença. Tais estudos têm contribuído para o conhecimento na área, tais como estudo de Lipp (2005) e Lipp et al (2006) nos quais estudou-se a reatividade na pressão sanguínea frente a situações experimentais de stress social, concluindo-se pela relação entre as variáveis. Além disso, o estudo de revisão da literatura feito por Fonseca et al (2009) encontrou dados confirmatórios quanto à influência de fatores emocionais, como ansiedade, raiva e stress na hipertensão arterial na reatividade cardiovascular. No estudo de revisão realizado por Ozbay et al (2007), os autores enfatizam que o  sistema nervoso simpático (SNS) e o sistema hipotalâmico-pituitário-adrenocortical (HPA) estão amplamente envolvidos na resposta ao stress. Ao mesmo tempo alguns estudos relacionaram a hiperresponsividade do sistema nervoso simpático (também chamada de reatividade cardiovascular) à indução de isquemia e ao desenvolvimento de hipertensão, durante o stress mental (Rozanski et al., 1999). Além disso, Flaa, Eide, Kjeldsen e Rostrup (2008) demonstraram que as respostas da norepinefrina plasmática ao stress mental podem prever a ocorrência de hipertensão arterial. Dessa forma, este estudo evidencia que a atividade do sistema nervoso simpático durante o stress mental revela-se preditora de pressão arterial no futuro, indicando um possível fator causal para o desenvolvimento da hipertensão essencial independente da pressão arterial inicial. Tais estudos revelam a relação entre o stress e o sistema cardiovascular em termos fisiológicos, o que muito contribui para a compreensão da mesma.

Com base em estudos que enfatizam a associação entre hipertensão, DCV e fatores emocionais como o stress, evidencia-se a importância do controle do stress como uma medida que pode contribuir para a prevenção e controle da doença. Partindo-se do princípio de que as DCV estão associadas a um estilo de vida deficitário, o Treino de Controle do Stress de Lipp (TCS)  (Lipp, 1991a) tem se revelado de grande utilidade, já que esse procedimento envolve mudanças nos hábitos e melhoria da qualidade de vida nas diversas áreas o que pode impactar positivamente na prevenção e no tratamento das DCV. O TCS de Lipp vem sendo testado em várias pesquisas com doenças crônicas diversas (Lipp, 1991b, Brasio, 2003, Malagris, 2009) demonstrando resultados bastante positivos, já tendo sua eficácia comprovada. Visa a conscientização dos pacientes quanto às suas fontes externas e internas de stress e a aprendizagem de estratégias cognitivo-comportamentais que ajudem no controle do stress. Neste treinamento é ensinado aos pacientes estratégias tanto de manejar como para eliminar fontes de stress (Lipp, Bignotto & Alcino, 1997; Alcino, 1996; Lipp, Alcino, Bignotto & Malagris, 1998; Lipp, 2003; Lipp & Malagris, 2011, Malagris, Lipp & Chicayban, 2014). Concluindo, o TCS somado ao tratamento médico tem sido valorizado inclusive nas V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão, onde se recomenda o controle de situações estressantes junto às outras recomendações como alimentação adequada, exercício físico, cessação de fumo e controle do uso de álcool (SBC, SBH & SBN, 2006). Pela relevância do tema, o mesmo foi discutido na mesa redonda intitulada “A interface entre questões emocionais e doenças cardiovasculares” na Jornada de Psicologia do 31º Congresso de Cardiologia da SOCERJ.

Referências Bibliográficas

Alcino AB. (1996) Stress Social e Reatividade Cardiovascular infantil: Um estudo psicofisiológico. In: Lipp M,. (Org.) Pesquisas sobre stress no Brasil. SP: Papirus, I(2):35-46.

Borges, D.G.S., Monteiro, R.A., Schmidt, A., &, Pazin-Filho, A. (2013). Copa do Mundo de Futebol como Desencadeador de Eventos Cardiovasculares. Arq Bras Cardiol., 100(6), 546-552.

Brasio KM. (2003) O Treino de Controle do Stress aplicado à Retocolite Ulcerativa Inespecífica. In Lipp M. (Org.) Mecanismos Neuropsicofisiológicos do Stress: Teoria e Aplicações Clínicas. Casa do Psicólogo, 193-197.
Flaa A, Eide IK, Kjeldsen SE, Rostrup M. Sympathoadrenal stress reactivity is a predictor of future blood pressure: an 18-year follow-up study (2008) Hypertension., 52(2), 336-41. doi: 10.1161/HYPERTENSIONAHA.108.111625. .Recuperado em http://hyper.ahajournals.org/content/52/2/336.long. Acesso em 8 de março de 2014.

Fonseca, F.C.A., Coelho, R.Z., Nicolato, R., Malloy-Diniz, L.F., e Silva Filho, H.C. (2009) A influência de fatores emocionais sobre a hipertensão arterial. J Bras Psiquiatr., 58(2), 128-134.

Lipp M.E.N. (1991a) O Valor do Controle do Stress como Terapêutica da Hipertensão Arterial In: M. Nobel, ed. Psicossomática Campinas: NEP, 86-163.

Lipp M.E.N. (1991b) Estudo Experimental de duas condições de tratamento médico-psicológico a pessoas portadoras de psoríase. Campinas: NEP.

Lipp M.E.N., Pereira, M.M.B., Justo, A.P., Matos, .TM.G. (2006) Cardiovascular reactivity in hypertensives: differential effect of expressing and inhibiting emotions during moments of interpersonal stress. Span J Psychol., 9(2),154-61.

Lipp, M.E.N. (2003) O Tratamento Psicológico do Stress. In: Lipp MEN (org). Mecanismos Neuropsicofisiológicos do Stress: Teoria e Aplicações Clínicas. São Paulo: Casa do Psicólogo: 187-192.
Lipp MEN. (2005) Blood pressure reactivity to social stress in an experimental situation. Rev Cienc. Med., 14(4), 317-326.

Lipp, M.N.; Bignotto, M.M., & Alcino, A.B. (1997) Efeitos do treino de controle dos stress social na reatividade cardiovascular de pacientes hipertensos. Teoria, Investigação e Prática, 2(1), 137-146.

Lipp M.E.N., Alcino A.B., Bignotto M.M., & Malagris L.E.N. (1998) O treino de controle do stress para hipertensos: uma contribuição para a medicina comportamental. Revista Estudos de Psicologia; 15 (3): 59-66.
Lipp, M., & Malagris, L. (2011). Estresse: aspectos históricos, teóricos e clínicos. In Rangé, B. (org.). Psicoterapias cognitivo-comportamentais: um diálogo com a psiquiatria (2a ed, Cap. 39, pp.617-632). Porto Alegre: Artmed.

Lopes, M.A.S. (2012) Os estilos de vida nos doentes com cardiopatia isquêmica. Dissertação de Mestrado apresentada no Curso de Mestrado em Enfermagem Médico-Cirúrgica. Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal. Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu. Recuperado de http://repositorio.ipv.pt/bitstream/10400.19/1693/1/LOPES%20Maria%20Am%C3%A9lia%20Santos%20-%20Estilos%20Vida%20Doentes%20Cardiopatia%20Isqu%C3%A9mica.pdf em 8 de março de 2014.

Malagris, L.E.N, Brunini, T.M, Moss, M.B., Silva, P.J.A, Espósito, B.R., & Ribeiro, A.C.M. (2009). Evidências Biológicas do Treino de Controle do Stress em Pacientes com Hipertensão. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22 (1), 1-9.

Malagris, L.E.N., Lipp, M.E.N., & Chicayban, L.M. (2014) Hipertensão arterial sistêmica: contribuição de fatores emocionais e possibilidades de atuação da Psicologia. In E.M.F. Seidl & M.C.O.S. Miyazaki (Coords.) Psicologia da saúde: pesquisa e atuação profissional no contexto de enfermidades crônicas (pp 73-102), Curitiba, Juruá Editora.
Mansur, A. P. & Favarato, D. (2011). Mortalidade por doenças cardiovasculares no Brasil e na região metropolitana de São Paulo: Atualização 2011. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2012, 99(2), 755-761. Recuperado em http://www.scielo.br/pdf/abc/v99n2/aop05812.pdf em 08 de março de 2014.

Ozbay, F., Johnson, D.C., Dimoulas, E, Morgan, C.A., Charney, D., & Southwick, S.(2007). Social support and resilience to stress: From neurobiology to clinical practice. Psychiatry, 36, 4(5), 35-40. Recuperado em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2921311/ em 08 de março de 2014.

Rozanski, A., Blumenthal, J. A. & Kaplan, J. (1999). Impact of psychological factors on the pathogenesis of cardiovascular disease and implications for therapy. Circulation: the journal of American Heart Association, 99, 2192-2217. Recuperado de http://circ.ahajournals.org/content/99/16/2192 em 08 de março de 2014.

Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH) & Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN). (2006). V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. São Paulo: SBC, SBH & SBN.

Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, & Sociedade Brasileira de Nefrologia. (2010). VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arquivos Brasileiros de Cardiologia; 95(1 supl.1), 1-51.

Whittaker, K.S., Krantz, D.S., Rutledge, T., Johnson, B.D., Wawrzyniak, A.J., Bittner, V., Eastwood, J., Eteiba, W., Cornell, C.E., Pepine, C.J., Vido, D.A., Handberg, E., & Merz, C.N.B. (2012). Combining Psychosocial Data to Improve Prediction of Cardiovascular Disease Risk Factors and Events: The National Heart, Lung, and Blood Institute–Sponsored Women’s Ischemia Syndrome Evaluation Study Psychosom, 74(3), 263–270. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3324654/?tool=pubmed
Recuperado em 07 de março de 2014.

World Health Organization (2013). A global brief on hypertension: Silent killer, global public health crisis. Recuperado em 19 de abril, 2013, de http://www.who.int/cardiovascular_diseases/publications/global_brief_hypertension/en/


Por Profª Lucia Emmanoel Novaes Malagris

Instituto de Psicologia – Universidade Federal do Rio de Janeiro

Você também pode gostar:

Mais postagens como esta…

Menu
Open chat