As Brasas

Sandor Marái

Companhia das Letras

Sandor Marái nasceu em 1900, no Império Austro-Húngaro. Profundamente anti-fascista, sobreviveu às guerras, mas a perseguição do regime comunista em seu país fez com que se exilasse. Suicidou-se em San Diego, em 1989. As brasas, com primeira edição de 1942, permaneceu censurado na Hungria até 1900.

No livro, um general e seu amigo inseparável na infância e juventude se reencontram após 41 anos de uma separação abrupta e inexplicável. Entre eles, o fantasma de uma mulher, Kriztina. O duelo entre os dois amigos é travado com uma perigosa arma: a palavra. A memória do general e o encontro colocam em pauta a amizade, a culpa, o amor, o envelhecimento, o sentido da vida.

“As perguntas mais importantes sempre terminamos respondendo com nossa vida. O que dizemos nesse meio termo não tem importância, nem os termos e os argumentos com que nos defendemos. No final de tudo, é com os fatos de nossa vida que respondemos às indagações que o mundo nos faz com tanta insistência. E que são estas: Quem você é?…O que queria de verdade?… O que sabia de verdade?…A quê e a quem foi fiel ou infiel?… Com quem ou com o quê se mostrou corajoso ou covarde?…São essas as perguntas capitais. E cada um responde como pode, com sinceridade ou mentindo. O que importa é que no final cada um responde com a própria vida.”

As brasas está entre os melhores livros que li na vida. Fui apresentada ao autor por uma grande amiga e desde então já li todos os livros traduzidos para o português – todos ótimos. Já li e reli As brasas umas 4 vezes e já dei mais de dez para amigos – grandes amigos. Por quê? Talvez porque as mesmas palavras que podem ferir como brasas também possam nos unir com alguma forma de encanto.

 

Por Dra. Ana Mallet

Você também pode gostar:

Mais postagens como esta…

Menu
Open chat