NOTA OFICIAL SOCERJ

 

Uso de diurético no tratamento da hipertensão e a associação com câncer de pele

 

A Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro (Socerj) através desta nota oficial esclarece os relatos de estudos publicados sobre associação de câncer de pele não-melanoma com o medicamento anti-hipertensivo diurético hidroclorotiazida, fruto de alerta feito na última semana pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) (http://bit.ly/AnvisaHA).

 

A hipertensão arterial (HA) é uma doença crônica e séria, caracterizada pelos níveis elevados da pressão sanguínea nas artérias. A HA é caracterizada, de acordo com a 7ª. Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial, pela elevação sustentada dos níveis pressóricos ≥ 140 e/ou 90 mmHg.

 

A HA no Brasil atinge 32,5% (36 milhões) de indivíduos adultos, mais de 60% dos idosos, contribuindo direta ou indiretamente para 50% das mortes por doença cardiovascular.

 

O tratamento da HA é eficaz e essencial para redução das complicações cardiovasculares associadas, como acidente cerebrovascular, infarto do miocárdio, insuficiência renal, insuficiência cardíaca e doença vascular periférica.

 

Os diuréticos tiazídicos, entre eles a hidroclorotiazida, são utilizados há décadas no tratamento da HA com eficácia reconhecida. Seja isoladamente ou, mais frequentemente, em associação com outros anti-hipertensivos, os diuréticos formam parte central do tratamento da HA em uma vasta gama de pacientes. Normalmente são empregados em doses baixas, o que leva à redução dos seus efeitos colaterais mais comuns.

 

O primeiro grande estudo a chamar atenção para a associação da hidroclorotiazida com câncer de pele foi o de Pottergard e cols que, a partir do Registro de Câncer (2004-2012) na Dinamarca, identificou 633 casos de pacientes com carcinoma de células escamosas (CEC) do lábio e comparou com 63.067 controles populacionais. O uso de hidroclorotiazida foi obtido em registros de atendimentos. Neste estudo o uso contínuo de hidroclorotiazida foi associado a um risco ajustado de 2,1 para câncer de lábio, aumentando para 3,9 para uso de hidroclorotiazida em doses ≥25 mg. Houve um efeito dose-resposta com a dose mais alta de hidroclorotiazida (≥100mg) apresentando um risco de 7,7. Nenhuma associação com câncer de lábio foi observada com o uso de outros diuréticos ou anti-hipertensivos não-diuréticos. Neste estudo os autores estimaram que 11% dos casos de câncer de lábio de CEC podem ser atribuídos ao uso de hidroclorotiazida.

 

O mesmo grupo dinamarquês estudou o efeito da hidroclorotiazida em todos os tipos de câncer de pele não melanoma e novamente encontrou um aumento progressivo na incidência de câncer de pele, em especial o CEC, com efeito dose-resposta, em especial para doses maiores que 200 mg/dia (7,38 vezes). (J Am Acad Dermatol 2018;78:673-81.)

 

A Sociedade Brasileira de Dermatologia expediu uma nota técnica informando que os estudos são retrospectivos e em populações de pele clara originários na Escandinávia, que são especialmente sensíveis à exposição à radiação ultravioleta. Devido à alta exposição da população brasileira à radiação UV é necessária atenção de médicos e pacientes enquanto este assunto recebe investigação adequada pela comunidade científica. A SBD ressaltou também a importância de os usuários do medicamento fazerem a proteção solar adequada.

 

Recomendação da SOCERJ:

Como os dados são ainda iniciais não é recomendada a interrupção ou redução do uso da hidroclorotiazida sem uma avaliação pelo seu médico. Uma avaliação cardiológica, o uso de protetores solares quando necessário e a avaliação pelo dermatologista são condutas que devem ser tomadas por indivíduos que fazem uso de hidroclorotiazida neste momento. 

Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro (Socerj)

Diretoria 2018/2019

Os comentários estão fechados.